Ansiedade Infantil e Juvenil: como lidar

Viver com ansiedade exacerbada é bastante limitante e comporta um importante impacto negativo ao nível orgânico, tanto para adultos, como para crianças.

Nós, os adultos, temos acesso a mais ferramentas para lidar com a ansiedade e, quando necessário, é com mais facilidade que pedimos ajuda especializada.

As crianças estão ainda a aprender o que é isto de se ser um Ser Humano e debatem-se com um acrescido desafio ao lidar com a ansiedade muitas vezes "descontrolada".

Então, como podemos atuar para que a ansiedade das nossas crianças não atinja picos constantes, melhorando a sua qualidade de vida?

O primeiro passo a dar é prestar atenção aos sinais que a criança nos dá e a que ponto esses sinais de ansiedade estão a limitar o seu bem-estar e as suas atividades diárias, bem como a dinâmica natural da família. Em caso afirmativo, o mais adequado a fazer é procurar ajuda especializada, ou seja, avaliação e acompanhamento psicológico.

No caso de a ansiedade da criança ser normativa e adaptativa, ou seja, não ser muito frequente, ser em reação a uma situação esporádica e não causar interferência negativa no seu dia-a-dia, há algumas estratégias que lhe podemos dar, ajudando-a a gerir melhor as suas emoções.

Eis algumas que vos proponho:

1) Respirar! Mas não é respirar de qualquer maneira. É sim respirar conscientemente: reservar, todos os dias, uns minutos para fazer respiração diafragmática, isto é, respirando apenas através da barriga, sem mexer a restante caixa torácica. Esta respiração ativa o sistema nervoso parassimpático, ajudando o nosso corpo a relaxar, diminuindo os níveis de adrenalina e cortisol. Escolher um local tranquilo, sentar confortavelmente com as costas direitas e inspirar através do nariz o mais lentamente possível até encher a barriga (contar até 3); depois, esvaziar lentamente (contar até 6), colocando esse ar num balão que enchem.

2) Colorir Mandalas! Mandalas são desenhos em forma circular, com mais ou menos elementos, que têm um pontinho central. Vamos colorir em silêncio, apenas com uma música de fundo tranquila (sons da natureza, harpa, etc.)

3) Relaxar! Vamos deitar de barriga para cima numa superfície confortável (cama, tapete macio, sofá, ...), fechar os olhos e fazer a respiração diafragmática (já depois de bem treinada). Nós, adultos, contamos uma viagem feliz, através de uma nuvem fofinha, onde estamos deitados, que nos leva a um lugar tranquilo (praia, jardim, lago, montanha, ...), onde brincamos e relaxamos.

Espero que estas estratégias vos possibilitem momentos tranquilos e felizes, junto das vossas crianças!

Lembrem-se: quanto maior a ansiedade que transmitimos (por linguagem verbal e/ou não-verbal) às crianças, maior a probabilidade de elas também desenvolverem um quadro de ansiedade (generalizada ou fóbica). Por isso, cuidem de vós e da sua ansiedade, ao mesmo tempo que estará a contribuir para um melhor bem-estar das vossas crianças.

E, já sabem: nós estamos cá para vos ajudar a saber colocar a ansiedade no sítio certo!


 By Alexandra Pinto

Psicóloga Clínica, Membro Efetivo OPP

(Artigo da autoria da Dra. Alexandra Pinto, 

convidada para escrever no meu blog)