EM TEMPO DE PANDEMIA - Kit de estratégias proativas para pais

Fonte: Imagem de Vlada Karpovich Pexels  

Partilho convosco um artigo onde contribuí para a newsletter Outono 2020 da clínica CEMINT - Centro de Medicina Integrativa.

Se você é pai ou mãe, este artigo é para si!

Pensei naquilo que sentiu ou que provavelmente, ainda possa estar a sentir, neste momento de pandemia, que se afigura deveras desafiante e difícil... Nestes tempos, onde tem sentido um turbilhão de emoções e, onde a responsabilidade em gerir situações inesperadas tem feito parte do seu dia-a-dia... Situações que se apresentam familiares como trabalhar em casa, com os seus filhos por perto; ser pai ou mãe e professor ao mesmo tempo; tentar controlar as emoções dos seus filhos e as suas próprias emoções, perante a incerteza e o medo; não puder socializar ou sair com os amigos; entre muitas outras situações. Está a tentar controlar-se e não consegue, sentindo que as coisas estão cada vez pior?!

Neste artigo, vou dar-lhe algumas dicas para que se sinta mais tranquilo e para o lembrar que não está sozinho.

· Dê segurança ao seu filho, criando rotinas - as crianças crescem sempre com rotinas associadas, algo que lhes fornece uma certa estrutura e previsibilidade no seu dia-a-dia. Diante de tantas mudanças e incertezas, face à conjuntura atual, ao fornecer ao seu filho horários, expectativas claras, regras conscientes e consistentes e alguma previsibilidade, estará a tornar o seu mundo mais seguro.

· Invista algum tempo de qualidade - tire um momento do seu dia, mesmo que em doses curtas, de 15 a 30 minutos e, sinta-se inteiramente conectado e disponível para o seu filho, aproveitando para brincar ao ar livre, falar, dar um passeio ou realizar uma atividade juntos. O facto de as crianças saberem que terão toda a sua atenção e disponibilidade, sem interferências ou distrações, poderá ajudar muito a melhorar o seu humor e comportamento. Reflita como é prazeroso quando alguém de quem gosta, reserva um tempo só para estar consigo, para o ouvir e falar, estando inteiramente presente.

· Crie na sua casa o "recanto da reflexão" - sempre que os ânimos se exaltam, o que inevitavelmente, acontecerá entre pais e filhos, será útil ter um lugar calmo e seguro, onde filhos e pais poderão se acalmar e refletir. Poderá servir igualmente, para momentos em que se encontrem stressados, agitados e necessitem de fazer uma pausa. Este poderá ser um local útil para pais modelarem o comportamento dos filhos, ajudando-os a autorregularem-se, a acalmarem e sobretudo a cuidarem de si. Dependendo da idade do seu filho, este poderá levar para o "recanto da reflexão" um diário, um peluche, a sua música favorita, entre outros objetos.

· Tenha uma reunião familiar semanal - Partilhem entre todos, como correu a semana, o que correu bem/menos bem, algo que algum elemento da família fez e que apreciaram. Muito importante, diga ao seu filho que notou que ele teve um comportamento positivo, uma atitude generosa, uma boa escolha durante a semana e dê reforço positivo genuíno. Partilhem preocupações ou dificuldades sentidas ao longo da semana e colaborem, procurando uma solução juntos. Aproveite para criar regras e consequências, mas envolva as crianças no diálogo para que se sintam parte da solução e do processo. Terminem, programando uma atividade familiar divertida, que todos esperem ansiosamente.

· Crie pequenos momentos de escape - especialmente, para os pais que trabalhem em casa e que não tenham a rotina, casa-trabalho e trabalho-casa, eque sintam a monotonia a pairar. Após terminar o seu trabalho, reserve 3 a 5 minutos de transição para descomprimir, por exemplo, poderá ouvir uma música serena e agradável, sentar-se numa cadeira e meditar, alongar um pouco e relaxar.

· Reserve tempo para prestar atenção aos seus sentimentos, emoções, pensamentos e comportamentos

  • Prestar atenção a si com uma consciência plena, poderá fornecer-lhe informações relevantes sobre o seu nível de funcionamento e bem-estar. Imagine um "termómetro de stress", com uma escala de 1 a 10, onde o 1 representa quase nenhum stress e o 10 é o nível mais alto de stress. Pode mesmo, desenhar esse termómetro para que o possa analisar ao pormenor. Pense quando você está no nível 3 ou 4, o que está a acontecer ao seu corpo? O que você está a pensar e a dizer para si mesmo? Faça o registo escrito do que está a acontecer consigo (por exemplo, se os seus músculos ficaram tensos; se a sua respiração ficou mais acelerada). Responda às mesmas perguntas, mas para o nível 5-6 e 7-8, caso seja aplicável e observe o seu corpo, os seus pensamentos, as sensações corporais que sente e comportamentos. Reflita. Essas reações, podem ser pistas para que você possa prestar atenção atempadamente e reconhecer o gradual aumento de stress e a proximidade à zona de perigo.
  • Seja proactivo e faça um plano, registando num papel tudo aquilo que poderá fazer quando perceber que o seu "termómetro de stress" está a subir. Por exemplo, quando se encontrar no nível 3 ou 4 de stress, poderá retirar-se para um local calmo e respirar fundo, pensando que o seu filho terá menos hipóteses de o irritar ou piorar um comportamento, se você estiver tranquilo e calmo.

Não são tempos fáceis para os pais, mas dedicar algum tempo para ser consciente e proactivo poderá ajudar muito a enfrentar os desafios diários e dificuldades durante esta fase em que vivemos.