Momentos difíceis, pausas conscientes

30-05-2021

Momentos difíceis fazem seguramente parte do quotidiano de todos nós! Sentirmo-nos "sem chão" e sem saber o que fazer, com sentimentos de impotência e desespero é algo que acompanha o momento.

Ter algo para se focar, pode trazer-lhe uma sensação de maior tranquilidade e controlo. 

Considere que, recorrer a estratégias de coping ativas (de enfrentamento) permitirá que tenha uma resposta mais eficaz e se torne mais resiliente. Alguns exemplos dessas estratégias são a resolução de problemas, o autocontrolo, a expressão de emoções, a aceitação da responsabilidade e a procura de suporte social. Estratégias de coping passivas como o evitamento/fuga, o confronto ou o isolamento social poderão apresentar-se menos eficazes.

Permita-se descobrir o poder da compaixão e da bondade, fazendo pausas pequenas e conscientes, onde possa enviar a si mesmo um pouco de compaixão a cada inspiração. Na expiração, aproveite para enviar um pouco de bondade aqueles que o rodeiam. Vá equilibrando a compaixão por si e pelos outros. Gerar emoções positivas promove a redução do stress e ansiedade e aumenta a sua conexão social e o seu bem-estar. Reconheça as suas emoções ao invés de as evitar. Isso fará sentir-se melhor.

Permita-se abrandar um pouco o seu ritmo, fazendo pequenas pausas ao longo do dia e retirando o máximo partido, aproveitando para recarregar energias.

Por fim, foque na sua respiração e sensações físicas no seu corpo, despertando sentimentos de coragem, força, esperança, calma e compaixão. Repita para si: ao inspirar, eu obtenho força, esperança, coragem e calma. Ao expirar, eu envio compaixão e bondade aos meus familiares, aos meus amigos, aos meus colegas de trabalho e a toda a humanidade. Repita as vezes que desejar e sempre que necessitar.

Não esqueça que para enfrentarmos os desafios diários da melhor forma possível, é então crucial sermos capazes de fazermos pausas conscientes e realizarmos escolhas ativas, sem descorar a nossa segurança, apoio social e bem-estar.

By Tânia Daniela Carvalho